(11) 96358-9727

 

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

Poesia Linear  Poemas Por Título Por Livro Por Data Com Vídeo Com Áudio Livros Impressos Poemas Musicados


(Clique Sobre a Inicial do Título)

APOIE A CULTURA INDEPENDENTE!

COMPRE PRODUTOS INDEPENDENTES!

Todos os textos e poemas publicados em A Barata, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, registrados no Escritório de Direitos Autorais. Proibida a cópia e uso sem autorização do legítimo proprietário, sob as penas da Lei.

O HOMEM, O POETA E A GIRAÇOL

O Homem, O Poeta e A Giraçol

Barata Cichetto
O Êxtase
Existia um poeta, que entre falsos amores, perdido num tempo, amarrado a um sonho, perdia sua existência em desejos nunca cumpridos, em orgasmos maltratados e sonhos esfacelados. Um poeta que sempre buscava o que não sabia e perdia antes mesmo de achar. Um homem que abraçara a escuridão quando a luz lhe fugira feito pombas assustadas.

Existia um poeta cuja própria morte o seduzia, o combalia e se desnudava. Um homem cuja arte era pintada em negro e pinçada em dor. E se debatia o homem dentro de sua própria escuridão e combatia o homem, incapaz de lutar, dentro de sua própria imensidão.
Existia um homem que acreditando nas palavras de outro, sabia ser fácil abraçar a poesia, mas muito, muito difícil beijar sua própria vida. Um homem e um poeta existiam prontos a morrer por causas que não os queriam, por musas desrespeitosas e insensíveis. Sem saber que musas não são feitas aos poetas e os poetas não são feitos ás musas.

Dormia sempre o poeta com seus sonhos e acordava sempre encharcado de suor de pesadelos nus que o oprimiam e o sufocavam, até ter novamente desejo de morte. Porque a morte era sempre sua concubina e ele sabia que, devoradora de corações ela nunca o deixaria em paz.

E assim o poeta e o homem se digladiavam em seus sonhos, confundiam-se em suas vidas, cada um querendo tomar o lugar do outro. Hora era o poeta querendo se fazer homem - homem porque poeta é sempre menino -, hora era o homem querendo ser poeta - e portanto ser menino. E nenhum aceitava seu próprio lugar dentro do outro. Um era o homem, outro era o poeta. E ambos mentiam um ao outro.

E assim caminhavam, se amando e se odiando, o Homem e o Poeta. Se odiavam a cada dia e se iludiam de que poderiam estar livres um do outro, embora a verdadeira consumação e a verdadeira comunhão entre os dois, nenhum deles entendesse. Ambos tinham medo de si próprios. E do medo que um tinha do outro nascera um hediondo ser, nem homem nem poeta, apenas amante da morte e de suas amantes lésbicas.

Existia um homem que cavava diariamente sua própria destruição com o poeta ao seu lado, rindo e gargalhando. Cavando a sepultura com suas próprias mãos nuas, o homem percebia o poeta abraçado com a morte, achando que apenas seu próprio reflexo num espelho. E assim seguiam suas vidas, se acaso podemos de vida chamar tal mesquinha e escura existência.

Mas um dia, quando o homem e o poeta empenhados na mais ferrenha de suas batalhas pessoais chegavam ao limite de suas forças, cansaram de lutar entre si e jogaram suas armas ao chão. Ambos se abraçaram e choraram feito meninos e perceberam que nenhuma batalha entre eles teria um vencedor e principalmente a eles a morte não era nem a amante, nem o destino.

Transubstanciados e metamorfoseados, fundidos num só corpo e numa só alma. Eles eram agora um. O Poeta e o Homem. Nesse momento um sino tocou, na mais alta torre repicado pelas hábeis mãos do Universo chamou aquele novo ser que ali nascia. E foi ele, agora não mais apenas homem e nem mais apenas poeta, mas a fusão perfeita entre eles em direção a luz que o sino lhe indicava.

E pela primeira vez, aquele ser a quem chamaremos apenas de EU pode caminhar com a alegria da vida por campos forrados de giraçóis, pode caminhar pelos largos braços da felicidade sentindo a alegria da vida pulsar em suas veias. E pela primeira vez EU pode dizer que entende realmente ao sentido pleno da palavra AMOR.
17/2/2010

-

-

Registro no E.D.A. da F.B.N. : 508.820 - Livro 964 - Folha 108

1 - "Leve Um Homem Ao Matadouro..." 11/2/2002

1958 25/6/2004

2 - "...O Que Berrar na Hora da Faca é o Homem..." 11/2/2002

3 - "...Mesmo Que Seja o Boi!" 11/2/2002

A Aranha (Trecho) 1/9/1980

A Artesã e O Poeta 11/9/2008

A Balada de Izabel Cristina 28/12/2013

A Barca da Esperança 19/9/2006

À Beira da Morte 11/11/2006

A Bunda da Minha Amada 1/3/1998

A Carta e a Chuva 28/6/2008

A Carteira e o Poeta 4/1/2006

A César o Que é de César e a Augusto o Que é dos Anjos 17/11/2009

A Ciência da Poesia 5/12/2009

A Doença Que Eu Tanto Amo 5/12/2005

A Dor Suprema 19/9/2006

A Felicidade da Dor 17/12/2009

A Herança dos Sonhos 26/9/2008

A Humanidade é a Merda da Terra 8/11/2006

A Importância da Merda e a Merda da Importância (Porque Nenhuma Merda no Mundo é Mais Suja Que Seu Nome) 12/10/2002

A Ira dos Anjos 26/8/2009

A Ira e a Lira dos Demônios e dos Deuses Sem Gozo 25/8/2009

A Lenda da Fada da Foda 6/2/2015

A Lista 17/7/2016

A Mais Bela das Histórias de Amor Sobre a Terra. 7/7/2008

A Maldição da Barata Branca 24/10/2008

A Maldição do Tempo 20/1/2015

A Mendiga 8/2/2007

A Morte da Morte 1/8/2001

A Morte da Saudade 20/9/2009

A Música da Letra 15/10/2006

A Noite da Última Sorte 3/12/2002

A Noite dos Desesperados 20/9/2004

A Paciência dos Anjos e As Flores da Macedônia 21/9/2009

A Poesia Que Eu Preciso 31/1/2010

A Poesia, a Razão e a Loucura 9/7/2017

A Prisão da Liberdade 15/11/2009

A Professora e A Barata 1/11/2008

A Santidade da Vida 11/2/2007

A Serpente e A Raposa 11/12/2005

A Solidão e A Esperança 3/9/2006

A Solução da Corda 9/10/2009

À Sombra de Objetos Inexistentes (Antes do Começo e Depois do Fim) 21/3/2012

À Sulamita 30/7/2000

A Toalha e a Mesa 21/4/2008

A Verdadeira História da Betty Boop 28/4/2005

Aborto 11/11/2009

Acaso Eu Morra Amanhã 9/1/2006

Achados e Perdidos 27/5/2008

Ácida Cida 1/10/2000

 



(11) 96358-9727

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online