(11) 96358-9727

 

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

Poesia Linear  Poemas Por Título Por Livro Por Data Com Vídeo Com Áudio Livros Impressos Poemas Musicados


(Clique Sobre a Inicial do Título)

APOIE A CULTURA INDEPENDENTE!

COMPRE PRODUTOS INDEPENDENTES!

Todos os textos e poemas publicados em A Barata, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, registrados no Escritório de Direitos Autorais. Proibida a cópia e uso sem autorização do legítimo proprietário, sob as penas da Lei.

UMA GIGANTA

Uma Giganta

Barata Cichetto
Emoções Baratas
Passa um pouco da meia-noite quando toca a campainha da porta
Corro a atender e à minha surpresa, é uma mulher um tanto torta
Tem cabelos despenteados, uma bolsa surrada caindo de seu braço
E eu ali sem saber porque não a chuto ou então lhe dou um abraço.

O rosto de algo que poetas românticos chamariam de belo exótico
Tem uma feiúra que nem aos bêbados e aos soldados seria erótico
Um batom carmim dos lábios rachados e secos escorre rosto afora
E ela sorri, dentes amarelos de nicotina, enquanto o cigarro bafora.

A roupa, sim a roupa, acaso alguém possa chamar aqueles trapos
Parecia ter sido criada como um uniforme da Guerra dos Farrapos
A alça plástica do sutiã encardida feito unha de gente do interior
Ou aquela cueca que abandonei no banheiro desde o dia anterior.

Olho a ela tentando entender porque o Criador lhe foi tão mesquinho
Porque entre tantas rosas em meu jardim aparece apenas o espinho
Mas, pensando e pensando eu, enquanto ela adentra á minha saleta
E rápido igual a quem rouba, ela ergue a saia exibindo a sua buceta.

E, meus senhores e, perdoem minhas senhoras, era linda aquela vagina
Jamais em tempo algum tinha eu apreciado tão formosa genitália feminina
Em nenhuma era de meu tempo, pudera enxergar tão magníficos cabelos
Que não pude e não quis resistir àquela beleza e sucumbi aos seus apelos.

Mingua língua foi então explorando aquelas grutas e as cavernas rochosas
E descobri o quanto à urina e a sujeira podem até ser maravilhas deliciosas
Beber do que nunca bebemos nos deixa embriagados mais rapidamente
Portanto eu queria estar sóbrio e poder beber daquilo de forma consciente.

Ergui minha cabeça e deparei com duas montanhas de cumes de mamilos
Muito escuros e duros, mas um a um tinham juntos uma centena de quilos
Minha boca escalou aquelas montanhas ásperas que pareciam ser de areia
E minha língua reconheceu um prazer maior que o sabor do mel com aveia.

Tenho mãos grandes, mas nem juntas eu conseguia abarcar aquela bunda
E como eu queria porque tinha nádegas fantásticas aquela doce vagabunda
Com esforço e depois de muito penar, encontrei o buraco e enfiei os dedos
Todos que tenho e sem reclamar ela falou que ainda tinha outros segredos.

Ela gemia em berros e urros ensurdecedores cheios de tesão e de mau hálito
Mas da ocasião nasce o ladrão e tanto o prazer quanto a dor fazem o hábito
E enfiar minha língua em sua boca era um sentido escondendo o outro agora
Sendo que eu sabia o quanto era podres e sujos os dentes daquela senhora.

Tinha sua língua um gosto estranho de arruda com pinga de botequim barato
Mesmo com tal sabor eu a chupei e ela a minha pois assim é do beijo o pacto
Quase não podia respirar porque os braços enormes da giganta desconhecida
Apertava minhas costas parecendo querer esmagar cada vértebra conhecida.

Com enorme empurrão minha amante empurrou meu corpo contra o colchão
Enterrando sua buceta em meu pinto, quase empurrando a cama até o chão
Subia e descia com tanto desejo quanto o que eu tinha de ainda poder respirar
Mas algo era maior e esperei apenas que ao acabar eu ainda pudesse suspirar.

Finalmente minha amante giganta estremeceu e berrou feito animal enjaulado
Sua buceta esmagou meu pau e eu ejaculei, mas não tinha apenas ejaculado
E sem uma sílaba falar, a giganta colocou as roupas e com o dia desapareceu
Deixando uma saudade e uma sensação que nunca ninguém jamais conheceu.
30/11/2006

-

-

Registro no E.D.A. da F.B.N. : 508.820 - Livro 964 - Folha 108

1 - "Leve Um Homem Ao Matadouro..." 11/2/2002

1958 25/6/2004

2 - "...O Que Berrar na Hora da Faca é o Homem..." 11/2/2002

3 - "...Mesmo Que Seja o Boi!" 11/2/2002

A Aranha (Trecho) 1/9/1980

A Artesã e O Poeta 11/9/2008

A Balada de Izabel Cristina 28/12/2013

A Barca da Esperança 19/9/2006

À Beira da Morte 11/11/2006

A Bunda da Minha Amada 1/3/1998

A Carta e a Chuva 28/6/2008

A Carteira e o Poeta 4/1/2006

A César o Que é de César e a Augusto o Que é dos Anjos 17/11/2009

A Ciência da Poesia 5/12/2009

A Doença Que Eu Tanto Amo 5/12/2005

A Dor Suprema 19/9/2006

A Felicidade da Dor 17/12/2009

A Herança dos Sonhos 26/9/2008

A Humanidade é a Merda da Terra 8/11/2006

A Importância da Merda e a Merda da Importância (Porque Nenhuma Merda no Mundo é Mais Suja Que Seu Nome) 12/10/2002

A Ira dos Anjos 26/8/2009

A Ira e a Lira dos Demônios e dos Deuses Sem Gozo 25/8/2009

A Lenda da Fada da Foda 6/2/2015

A Lista 17/7/2016

A Mais Bela das Histórias de Amor Sobre a Terra. 7/7/2008

A Maldição da Barata Branca 24/10/2008

A Maldição do Tempo 20/1/2015

A Mendiga 8/2/2007

A Morte da Morte 1/8/2001

A Morte da Saudade 20/9/2009

A Música da Letra 15/10/2006

A Noite da Última Sorte 3/12/2002

A Noite dos Desesperados 20/9/2004

A Paciência dos Anjos e As Flores da Macedônia 21/9/2009

A Poesia Que Eu Preciso 31/1/2010

A Poesia, a Razão e a Loucura 9/7/2017

A Prisão da Liberdade 15/11/2009

A Professora e A Barata 1/11/2008

A Santidade da Vida 11/2/2007

A Serpente e A Raposa 11/12/2005

A Solidão e A Esperança 3/9/2006

A Solução da Corda 9/10/2009

À Sombra de Objetos Inexistentes (Antes do Começo e Depois do Fim) 21/3/2012

À Sulamita 30/7/2000

A Toalha e a Mesa 21/4/2008

A Verdadeira História da Betty Boop 28/4/2005

Aborto 11/11/2009

Acaso Eu Morra Amanhã 9/1/2006

Achados e Perdidos 27/5/2008

Ácida Cida 1/10/2000

 



(11) 96358-9727

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online