(11) 96358-9727

 

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

Poesia Linear  Poemas Por Título Por Livro Por Data Com Vídeo Com Áudio Livros Impressos Poemas Musicados


(Clique Sobre a Inicial do Título)

APOIE A CULTURA INDEPENDENTE!

COMPRE PRODUTOS INDEPENDENTES!

Todos os textos e poemas publicados em A Barata, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, registrados no Escritório de Direitos Autorais. Proibida a cópia e uso sem autorização do legítimo proprietário, sob as penas da Lei.

ELA, A MORTE

Ela, A Morte

Barata Cichetto
1958
1 - Ela, A Morte Aparece

A Morte apareceu a mim ontem à noite em meu banheiro
Eu pelado, sentado, cagando e pensando em ter dinheiro
A parede branca, meu cinema, exibindo uma buceta
E eu ali, sentado e pelado e ensaiando uma punheta.

Antes de nada, preciso esclarecer ao leitor menos atento
Que ela não tinha foice, sequer usava um manto grudento
E que seu rosto não era de um esqueleto e não tinha patas
Uma mulher não uma daquelas criaturas caçadas nas matas.

Não era alta, entretanto, tinha pouco mais de metro e meio
E mantinha sempre uma de suas mãos apoiada sobre o seio
Sobre o corpo nem magro nem gordo um quase sensual traje
Sensual, mas nada que difame sua moral, nada que a ultraje.

Ela, A Morte, mostrou a mim o seu rosto
Faces rosadas, lábios pintados com gosto
Olhos tingidos de cintilantes sombras negras
Parecendo deusa ou daquelas putas gregas.

Seus olhos eram de puro mel e os seios redondos e enormes
Que pareciam saídos daqueles sonhos eróticos quando dormes
Tinha braços curtos, ombros estreitos, cabelos lisos, macios e louros
Certamente caso não fosse Ela, A Morte, seria a Rainha dos Mouros.

Também pude notar sua bunda, redonda feito planeta deserto
Que deseja ser explorado por qualquer astronauta mais esperto.
E podia perceber debaixo do traje a marca escura de pelos pubianos
Que poderia enlouquecer a padres, ateus e até a monges claretianos.


2 - Ela, A Morte Conversa

"O que desejas de mim?" - Perguntei sabendo a resposta de antemão
"Não desejas tanto a mim?" - Escutei dela, retirando do seio sua mão.
"Sim!" - Respondi, imaginando que minha resposta iria gerar polêmica
"Sou A Morte, Poeta!. Não sou apenas uma ótima teoria acadêmica".

"És real, eu sei! Nunca a imaginei uma mulher tão linda" balbuciei
"Mas eu não sou linda, lindas são as palavras que lhe pronunciei."
E ela parecia decidida a ter a mim. "Eu o fiz me desejar!" - Ela falou.
"Agora estou aqui. Sou sua!" - E depois disso, ela apenas se calou.

"Serias capaz de matar alguém?" - Perguntei sorrateiro á ela
"Sou A Morte, meu querido amado. Não apenas uma cadela!"
"Serias capaz de me desejar do jeito tal que eu sempre a desejei?"
"Sim, mas acontece que sou virgem, nenhum homem ainda beijei."

"Virgem?" - Perguntei a Ela, A Morte, em tom de piada sem graça
"Virgem! Pois não quero a mim a Verdade, não desejo a desgraça!"
"Verdade, sinônimo de Desgraça? Agora estás sendo comigo sarcástica."
"Vaiade, meu querido. Falo de Vaidade que gera a guerra e a suástica."

"Estás louca, querida Morte? Porque falas de coisas tão diferentes agora?"
"Estou louca? Não! Apenas loucos são aqueles que tem a mim por senhora."
"E porque não teriam? Quando A Outra parece não ter sentido e nem glória?!"
"É, mas a glória está em terminar o que se começa, essa a moral da história."

"Mas, deixemos de prosa. Estás aqui para me carregar ao céu ou ao inferno?"
"Nem a um nem ao outro, pois que sabes que não há Deus nem há o eterno."
"Por que então, oh amada sem piedade, apareces a mim inteira e quase nua?”
"Para que saibas que sou, entre tantas outras putas, aquela que será só sua!"


3 - Ela, A Morte Goza

Neste momento, sem pestanejar, rápida quanto ela mesma apenas poderia ser
Ela, A Morte, agarra e começa a chupar meu pinto que não demora a crescer
Arranco seu traje cristalino e enfio meus dedos no clitóris de sua vagina melada
Em poucos momentos, Ela, A Morte, está em minha frente totalmente pelada.

Ela, A Morte, começa a gemer, minhas mãos percorrem sua bunda lisa e macia
Feito uma cobra ela se debate, se mexe tanto que quase me derruba da bacia
Abarco seus peitos com minha boca sedenta, chupo seus bicos duros de desejo
E não poderia deixar de enfiar um dedo em seu cu, jamais perderia esse ensejo.

Parece querer mais e mais e feito uma cadela, Ela, A Morte, chega mesmo a latir
Com lábios quentes feito o inferno chupa meu pinto que parece irá ao meio partir
Beijo seu rosto, mordo sua nuca, abraço seu quadril, parecemos duas serpentes
Não resistindo a tanto tesão, aperto sua bunda e nas costas lhe cravo os dentes.

Então, Ela, A Morte, deixa de chupar e solta um berro que parece uma explosão
Sangue escorre de suas costas, mas ela grita não de dor, grita apenas de tesão
Apanhando e chupando meu pau com tanta força que parece o querer decepar
Suas mãos percorrem todo o meu corpo e Ela, A Morte, não pára de me chupar.

Não podemos mais agüentar e eu retiro sua cabeça a contragosto do meu pinto
Seguro Ela, A Morte, pelos braços. E quanto mais a desejo mais desejo eu sinto
Abro suas pernas e a coloco sentada em meu colo, ajeitando sua melada gruta
Empurro seu corpo e toda aquela buceta é penetrada enfim: "Fode, minha puta!"

Ela, A Morte, sobe e desce, desce e sobe e meu cacete lhe penetra por inteiro
E naquele instante não penso em nada pois ali estão todas as putas do puteiro
Em apenas uma todas, não desejo outra e estamos bem próximos á verdade
E o gozo chega. E ao chegar nos carrega a ambos ao gozo real da eternidade.


4 - Ela, A Morte Morre

Quando acordo tenho sobre mim aquela mulher inerte e pálida
Parece morta Ela, A Morte e procuro um sinal, respiração cálida
Mas não há mais vida e estou certo agora que A Morte, Ela, é quem está morta
E não há nada o que eu possa fazer a não ser sair do banheiro e trancar a porta.
14/11/2006

-

-

Registro no E.D.A. da F.B.N. : 505.851 - Livro 958 - Folha 97

1 - "Leve Um Homem Ao Matadouro..." 11/2/2002

1958 25/6/2004

2 - "...O Que Berrar na Hora da Faca é o Homem..." 11/2/2002

3 - "...Mesmo Que Seja o Boi!" 11/2/2002

A Aranha (Trecho) 1/9/1980

A Artesã e O Poeta 11/9/2008

A Balada de Izabel Cristina 28/12/2013

A Barca da Esperança 19/9/2006

À Beira da Morte 11/11/2006

A Bunda da Minha Amada 1/3/1998

A Carta e a Chuva 28/6/2008

A Carteira e o Poeta 4/1/2006

A César o Que é de César e a Augusto o Que é dos Anjos 17/11/2009

A Ciência da Poesia 5/12/2009

A Doença Que Eu Tanto Amo 5/12/2005

A Dor Suprema 19/9/2006

A Felicidade da Dor 17/12/2009

A Herança dos Sonhos 26/9/2008

A Humanidade é a Merda da Terra 8/11/2006

A Importância da Merda e a Merda da Importância (Porque Nenhuma Merda no Mundo é Mais Suja Que Seu Nome) 12/10/2002

A Ira dos Anjos 26/8/2009

A Ira e a Lira dos Demônios e dos Deuses Sem Gozo 25/8/2009

A Lenda da Fada da Foda 6/2/2015

A Lista 17/7/2016

A Mais Bela das Histórias de Amor Sobre a Terra. 7/7/2008

A Maldição da Barata Branca 24/10/2008

A Maldição do Tempo 20/1/2015

A Mendiga 8/2/2007

A Morte da Morte 1/8/2001

A Morte da Saudade 20/9/2009

A Música da Letra 15/10/2006

A Noite da Última Sorte 3/12/2002

A Noite dos Desesperados 20/9/2004

A Paciência dos Anjos e As Flores da Macedônia 21/9/2009

A Poesia Que Eu Preciso 31/1/2010

A Poesia, a Razão e a Loucura 9/7/2017

A Prisão da Liberdade 15/11/2009

A Professora e A Barata 1/11/2008

A Santidade da Vida 11/2/2007

A Serpente e A Raposa 11/12/2005

A Solidão e A Esperança 3/9/2006

A Solução da Corda 9/10/2009

À Sombra de Objetos Inexistentes (Antes do Começo e Depois do Fim) 21/3/2012

À Sulamita 30/7/2000

A Toalha e a Mesa 21/4/2008

A Verdadeira História da Betty Boop 28/4/2005

Aborto 11/11/2009

Acaso Eu Morra Amanhã 9/1/2006

Achados e Perdidos 27/5/2008

Ácida Cida 1/10/2000

 


1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

CONHEÇA NOSSOS PARCEIROS

 


(11) 96358-9727

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.

 On Line

Política de Privacidade

Free counter users online