(11) 96358-9727

 

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

Poesia Linear  Poemas Por Título Por Livro Por Data Com Vídeo Com Áudio Livros Impressos Poemas Musicados


(Clique Sobre a Inicial do Título)

APOIE A CULTURA INDEPENDENTE!

COMPRE PRODUTOS INDEPENDENTES!

Todos os textos e poemas publicados em A Barata, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, registrados no Escritório de Direitos Autorais. Proibida a cópia e uso sem autorização do legítimo proprietário, sob as penas da Lei.

SEGUNDA EPÍSTOLA AOS HIPÓCRITAS

Segunda Epístola Aos Hipócritas

Barata Cichetto
Impessoal e Transferível
Meus caros e queridos hipócritas que aqui repousam 
Afastem de minha alma a sua piedade, ainda ousam
Pousar seus olhos de falsa tristeza sobre minha mortalha
Beber do meu sangue entre goles de café e migalha
Contando péssimas piadas do mais pobre humor negro
Enquanto o padre reza uma oração tola em fraco grego.

Afastem sua caridade crente de minhas carnes sem deus
Desapareçam com sua cristandade, sumam daqui judeus
Retirem seus crucifixos pendurados com deuses mortos
Arrebatem ao seu céu seus demônios caídos e anjos tortos
Mandem ao inferno as suas lágrimas de inútil compaixão
Sumam-se com sua falsa dor, afastem-se de meu caixão.

Cumpram a sentença, disse o Juiz, executem esse que hoje luta
Sim, Meritíssimo, cumpramos imediatamente, disse a bela puta
Arranquem-lhe a língua, disse o executivo em seu carro blindado
Executem-no com três balas de canhão de ouro, gritou o soldado
Que falta de companheirismo, disse a aquela pobre vagabunda
Deixem-no morrer a míngua, disse o advogado sobre a bunda

Ah, mas eu queria tanto falar sobre o que eu sinto hoje e agora,
Mas a voz me falta, me falta o tesão, o meu tesão, minha senhora
Ah quanto eu queria erguer meu corpo deste caixão e gritar bem alto
Fodam-se todos vocês, hipócritas malditos que me tomaram de assalto
Danem-se, desgraçados, malditos e vadias que tomaram minha vida
Assassinos, sumam, deixem-me, que a minha morte agora está servida.

Ah, como vocês são tolos e fúteis, meus queridos e caros hipócritas nojentos
Imaginam poder aplacar sua culpa mordendo o rabo tal cães rabugentos
Meus olhos agora não enxergam, minha boca não sente nem os meus dedos
Comigo morrem todos os seus horrorosos e escabrosos de seus podres segredos
Eu não estou morto, mortos são vocês com vidas se arrastando pelos cantos
Mortos estão e são vocês, caros e hipócritas que derramam seus prantos.

Acabou, disse a inútil traidora, suma da minha frente, disse a vadia
Com seus olhos fúteis que ódio e frustração insanas sempre irradia
Queria agora, minha mais estúpida das damas do parque do engenheiro
Erguer meu corpo, erguer sua saia e comer sua bunda limpando com dinheiro
Mas deixa estar, minha traidora sem vergonha nem caráter que o teu calor
Ninguém nessa face de terra irá sentir, porque será sempre caro o seu valor.


Agora o poeta está morto e a traidora livre para o seu mundo de mentira tosca
O poeta apodrece e a traidora está liberta de sua condição de criatura fosca
Foda-se, disse o poeta ao apertar o gatilho da arma que estourou sua cabeça
Deixe-me ir embora antes que algum outro mal maior ainda lhe aconteça
Suma da minha frente, disse a rameira, que o único desejo que neste instante
È que apodreça sozinho num canto, cantando sua loucura em verso constante.

É, meus caros e queridos hipócritas, assassinos dos meus sonhos, que morram
Porque antes que minhas carnes sejam comidas, antes que líquidos escorram
Vocês também estarão mortos porque a dor que lhes imporei será tão forte
Que vocês implorarão ao seu deus ou demônio que lhes aliviem com a morte
Eu morto que sempre fui estarei vivo, enquanto vocês vivos serão apenas dor
Que aí lembrarão que um dia me mataram por prazer, carro, ou computador

Alegre-se, vadia, porque agora não precisará esconder sua bunda de mim
Sorria porque chegou finalmente o que sempre desejou, finalmente o meu fim
Não chore com essas lágrimas iguais as que chorou ao declarar sua traição
Lágrimas de cebola não são lágrimas, não fazem muito bem ao meu coração
Pode exibir sua bunda e seu desejo a todos que a quem você desejar e ensejar
Beije e deseje, deseje e beije todos aqueles que você sempre desejou beijar.

Corram putas, hipócritas e malditos, corram antes que o dia amanheça
Porque meu corpo ao baixar ao forno do crematório talvez ainda reconheça
Suas caras tortas de vergonha ou de risadas das piadas que contaram a noite
Então um a um cortarei com meu punhal, um a um castigarei com meu açoite
E já que estarão todos mortos eu lhes arrastarei ao forno e os verei queimar
Quanto queimou minha carne e alma, quanto queimou meu desejo de amar
17/2/2002

-

-

Registro no E.D.A. da F.B.N. : 508.830 - Livro 964 - Folha 118

1 - "Leve Um Homem Ao Matadouro..." 11/2/2002

1958 25/6/2004

2 - "...O Que Berrar na Hora da Faca é o Homem..." 11/2/2002

3 - "...Mesmo Que Seja o Boi!" 11/2/2002

A Aranha (Trecho) 1/9/1980

A Artesã e O Poeta 11/9/2008

A Balada de Izabel Cristina 28/12/2013

A Barca da Esperança 19/9/2006

À Beira da Morte 11/11/2006

A Bunda da Minha Amada 1/3/1998

A Carta e a Chuva 28/6/2008

A Carteira e o Poeta 4/1/2006

A César o Que é de César e a Augusto o Que é dos Anjos 17/11/2009

A Ciência da Poesia 5/12/2009

A Doença Que Eu Tanto Amo 5/12/2005

A Dor Suprema 19/9/2006

A Felicidade da Dor 17/12/2009

A Herança dos Sonhos 26/9/2008

A Humanidade é a Merda da Terra 8/11/2006

A Importância da Merda e a Merda da Importância (Porque Nenhuma Merda no Mundo é Mais Suja Que Seu Nome) 12/10/2002

A Ira dos Anjos 26/8/2009

A Ira e a Lira dos Demônios e dos Deuses Sem Gozo 25/8/2009

A Lenda da Fada da Foda 6/2/2015

A Lista 17/7/2016

A Mais Bela das Histórias de Amor Sobre a Terra. 7/7/2008

A Maldição da Barata Branca 24/10/2008

A Maldição do Tempo 20/1/2015

A Mendiga 8/2/2007

A Morte da Morte 1/8/2001

A Morte da Saudade 20/9/2009

A Música da Letra 15/10/2006

A Noite da Última Sorte 3/12/2002

A Noite dos Desesperados 20/9/2004

A Paciência dos Anjos e As Flores da Macedônia 21/9/2009

A Poesia Que Eu Preciso 31/1/2010

A Poesia, a Razão e a Loucura 9/7/2017

A Prisão da Liberdade 15/11/2009

A Professora e A Barata 1/11/2008

A Santidade da Vida 11/2/2007

A Serpente e A Raposa 11/12/2005

A Solidão e A Esperança 3/9/2006

A Solução da Corda 9/10/2009

À Sombra de Objetos Inexistentes (Antes do Começo e Depois do Fim) 21/3/2012

À Sulamita 30/7/2000

A Toalha e a Mesa 21/4/2008

A Verdadeira História da Betty Boop 28/4/2005

Aborto 11/11/2009

Acaso Eu Morra Amanhã 9/1/2006

Achados e Perdidos 27/5/2008

Ácida Cida 1/10/2000

 



(11) 96358-9727

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online