SIM, PIVA, EU DIREI AS PALAVRAS MAIS TERRÍVEIS ESTA NOITE
Barata Cichetto
Crônica Poética, escrita em 2017. Tema Musical: Cesar Achon - "Mágoa"
 

Ao contrário de Piva, eu quero esta noite dizer as palavras mais terríveis que puder. E as que não puder também. Lançar a maldição mais hedionda, a ofensa mais profunda, a blasfêmia mais profana. Quero dizer palavras terríveis, temíveis, horríveis. A ponto de te fazer vomitar, a ponto de te fazer cagar nas calças, molhar as calcinhas, por ódio, tesão, horror, vontade. Quero dizer palavras tão terríveis, que ninguém ousou dizer. Que nem Arqúiloco, poeta-soldado grego, que causou o suicídio do sogro ao ler seus poemas, ousou pensar. Sim, quero dizê-las, em alto e bom som, para que todos os cachorros da rua escutem, para que meu pai, do outro da sala se mate, para que minha mãe na cozinha deixe a comida queimar, para que meus filhos comunistas lamentem, e para que minha mulher interrompa seu sono à base de remédios. Quero dizer as palavras mais terríveis, que nenhum sacerdote, em sua sacristia profana, jamais ousou orar, e que nenhum deus, em seus momentos de maior ira, cogitou, e que nenhum filósofo tergiversou. Quero dizer as palavras mais terríveis, que sequer uma criança, na sua mais tenra e infinita maldade brincou. Quero dizer as palavras mais orgânicas, mais orgásticas que nem Safo, ou nenhuma deusa lésbica grega ou romana disse, nem a seus mais secretos amantes, as palavras mais horrorosas, que sequer aqueles que tanto me odeiam são capazes de pensar. Dizer em um volume mais alto que toca uma banda de metal, as palavras mais danosas, que possam a alguém machucar. Quero dizer, quero dizer que as palavras que quero dizer, sejam as mais hediondas, que nem Augusto conseguiu versejar, que nem Nero conseguiu incendiar, que nem Calígula conseguiu enomear. Quero falar as palavras que sejam mais terríveis, que nenhuma jura amorosa foi capaz de ser, que nenhuma mulher foi capaz de dizer, e nenhum homem foi capaz de escutar. As palavras mais medonhas, que nem mesmo aqueles que sonham com o futuro poderão aguentar. Falar as palavras mais sinceras, que nenhum traidor foi capaz de contar, que nenhum traído foi capaz de ouvir. Quero falar, com minha língua ferina, todas as palavras terríveis que eu puder pensar. E não imaginem que poderei por acaso pedir perdão pelas palavras terríveis que quero falar esta noite, que perdão é palavrão, palavra de baixo calão, que não sei soletrar. Quero dizer todas as palavras terríveis que ainda nem constam de dicionários, que sequer foram inventadas. Todas. Quero inventar palavras terríveis esta noite. Inventar palavras na noite terrível. Quero dizer palavras terríveis incríveis. Daquelas que nem sua imaginação possa reconhecer. Quero dizer todas as palavras que eu possa conhecer. Quero dizer palavras terríveis, capazes de te cegar. De te enxergar. Tão terríveis que possam te ouvir. Te deixar muda. Te mudar. E quero, porque quero e pronto, falar as palavras horríveis para escandalizar a diva. Quero dizer as palavras mais terríveis que nem Piva foi capaz de dizer. E que nenhum outro poeta foi capaz de versar. E se essas minhas palavras não lhe forem tão terríveis, a ponto de te chocar, a ponto de lhe causar o desejo de suicídio, escute-as como quem escuta palavras de amor. Ou pedidos de socorro!

26/10/2017
25/12/2018
https://youtu.be/OLPrvKHsuaE